Ano da Esperança

 

2017 ANO DA ESPERANÇA

                                                 Quanto a mim, esperarei sempre e te louvarei mais e mais. Salmos 71:14

 

INSATISFAÇÃO - UMA ENFERMIDADE DOS NOSSOS DIAS

 

INTRODUÇÃO

 

TEXTO BASE: SALMOS 37

Foi a insatisfação que sempre fez com que os israelitas se revoltassem contra Moisés, Arão e contra o próprio Deus. Foi a insatisfação que lhes impediu a entrada na Terra Prometida e os fez andar errantes durante 40 anos pelo deserto, longe de uma terra que manava leite e mel. É a insatisfação que destrói casamentos e famílias. São cônjuges resmungões que dificultam a vida do companheiro(a). A insatisfação não só deforma o rosto, mas também estraga o ambiente no trabalho, na vizinhança e na comunidade. A insatisfação faz uma sociedade ficar exaurida e um povo tornar-se corrompido. A insatisfação leva às manifestações violentas e produz greves, e tudo isso custa milhões. O fruto da insatisfação é a discórdia, e a insatisfação surge quando o homem não tem paz. Ele se encontra, constantemente, no círculo vicioso dos seus sentimentos negativos. A Bíblia fala sobre isso em Lamentações 3.39: "Por que, pois, se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados." Em Judas 1:16 está escrito acerca dos insatisfeitos: "Os tais são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas paixões." A Bíblia Viva diz: "Esses homens são exploradores constantes, eternos insatisfeitos, fazendo todo o mal que lhes dá vontade..."

 

 

FILHOS DE DEUS INSATISFEITOS

 

“Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Pois eles dentro em breve definharão como a relva e murcharão como a erva verde. Confia no Senhor e faze o bem, habita na terra e alimenta-te da verdade.”
Salmos 37 1-3

 

A insatisfação tem sido um dos traços mais marcantes da vida de muitos que se abrigam na Casa de Deus. Vivem sob o teto do Pai, procuram servi-Lo e obedecer-Lhe, mas, intimamente, se sentem descontentes e frustrados. Vivem a murmurar,reclamar, remoer os insucessos, as injustiças e os desafetos, numa disposição de alma amarga e sombria.
Há um grande número de pessoas cuja relação com Deus diz respeito tão-somente a sentimentos de obrigação e segurança. Seguem-no por medo ou por costume. Servem-no por dever ou interesse.

 

Quando Davi escreveu o Salmo 37, o famoso rei já estava avançado em idade: ... fui moço e agora sou velho (v. 25). Neste salmo, ele discute um problema de longa data: a aparente prosperidade dos ímpios e o sofrimento do justo. Mas por que Davi escreveu um salmo sobre este tema? Possivelmente, porque a insatisfação já havia tomado conta de muitos israelitas, por causa da prosperidade dos malfeitores. E esta é uma questão que, se não for bem entendida, pode mesmo trazer grandes prejuízos espirituais para a pessoa que se vê envolvida nela. Na verdade, este assunto era uma prova de fé, o grande questionamento dos israelitas que serviam fielmente a Deus.
Como entender que os bons sofram e os maus prosperem? Como continuar servindo a Deus, sem ser dominado pela insatisfação, diante desta situação? É fato que ninguém está livre de enfrentar períodos de insatisfação, seja por este ou por outro motivo. Esta, se não for tratada, pode, aos poucos, roubar a alegria e confiança em Deus.

 

“O segredo da verdadeira satisfação para alma humana está em Deus”.

 

 

O INSATISFEITO DEVE BUSCAR EM DEUS A SUA SEGURANÇA

Os versos 1 a 11 do Salmo 37 tratam da prosperidade do ímpio. Conforme já afirmamos, é possível que a alma de muitos servos de Deus, contemporâneos de Davi, estivesse adoecida pela insatisfação, ao ver a prosperidade de alguns ímpios. Por isso, o salmo começa com a seguinte advertência: Não te aborreças por causa dos homens maus (v. 1). Essa mesma advertência se repete no verso sete: ... não te aborreças por aquele que prospera em seu caminho e no verso oito: ... não te aborreça, pois isso só lhe trará mal. Algumas ediçoes bíblicas traduzem aborrecer por “indignar”. Na língua hebraica, temos a mesma palavra em todos estes três versos. A palavra é hãrâ. Este verbo tem relação com uma raiz que significa “fazer o fogo queimar”.

O que o salmista está pedindo, nestes versos, é: “não esquentem de tanta irritação, não se inflamem por causa dos malfeitores”, ou, em outras palavras, “mantenham a cabeça no lugar”. Pode acontecer de alguém se inflamar em ira por ver os maus vivendo no conforto, enquanto aqueles que estão lutando para fazer a vontade de Deus padecem necessidades. Indignar-se por causa do pecado é uma coisa, mas invejar os perversos e arder em ciúmes por causa de suas riquezas é outra totalmente diferente.
“Quem diz confiar em Deus, mas vive a reclamar insatisfeito, precisa rever seu entendimento sobre o que é confiança. ”

Na maioria das vezes, quando a ingratidão bate à nossa porta e ganha lugar em nosso coração, ela o faz porque olhamos a vida apenas do ponto de vista do aqui e agora. Queixamo-nos porque não olhamos as coisas como Deus vê. Mas “o poeta convida os justos a ver as coisas como o Senhor as vê. Provavelmente, isso aliviaria muita indignação e tensão”.

O Senhor conhece os dias dos íntegros (v. 18). Conhecer, neste verso, é muito mais do que conhecer intelectualmente: indica que, por meio do relacionamento, Deus sabe o que está acontecendo. Ele está envolvido com os justos. Os maus podem fazer oposição, mas é Deus quem cuida dos seus. E é justamente por saber que o Senhor conhece os justos que o salmista já havia dado a segunda ordem para que estes encontrem a verdadeira satisfação: Agrada-te também do Senhor, e Ele satisfará o desejo do teu coração (v. 4). Grave bem isto: o termo traduzido por agrada-te, tem o sentido de “estar feliz com”. Mesmo diante do ataque de homens maus, o Senhor nos conhece. Estejamos felizes com Ele! Esteja feliz com o Senhor!

Procure e construa sua felicidade exclusivamente no Senhor!

 

 

CONCLUSÃO

A insatisfação tem sua raiz no fato de não se ter paz com Deus, e quanto mais um povo se afasta de Deus, mais insatisfeito fica. Paulo, que havia entregado sua vida de modo incondicional ao Senhor Jesus, podia dizer: "entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo" (2 Co 6.10). Portanto, aquele que entregou sua vida ao Senhor Jesus e se arrependeu da sua insatisfação, experimentará a verdade de Filipenses 4.7: "E a paz de Deus, que excede a todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus."