Ano da Esperança

 

2017 ANO DA ESPERANÇA
    Quanto a mim, esperarei sempre e te louvarei mais e mais. Salmos 71:14

 

RENOVAÇÃO ESPIRITUAL: A ONISCIÊNCIA DE DEUS

 

“SENHOR, tu me sondaste, e me conheces.

Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.

Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos.

Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eis que logo, ó Senhor, tudo conheces.

Tu me cercaste por detrás e por diante, e puseste sobre mim a tua mão.


Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir.

Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?”
Salmos 139:1-7



INTRODUÇÃO


Deus é onisciente. Ele sabe todas as coisas — todas as coisas possíveis, todas as coisas reais, todos os eventos, conhece todas as criaturas, todo o passado, presente e futuro. Conhece perfeitamente todos os pormenores da vida de todos os seres que há no céu, na terra e no inferno. “... conhece o que está em trevas...” (Daniel 2:22). Nada escapa à Sua atenção, nada pode ser escondido dEle, não há nada que Ele esqueça! Bem podemos dizer como o salmista: 'Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir' (Salmo 139:6). Seu conhecimento é perfeito. Ele jamais erra, nem muda, nem passa por alto coisa alguma. “E não há criatura alguma encoberta diante dele: antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar” (Hebreus 4:13). Sim, tal é o Deus a quem temos de prestar contas!


Que maravilhoso Ser é o Deus das Escrituras! Cada um dos Seus gloriosos atributos deveria torná-lo honorável à nossa apreciação. A compreensão da Sua onisciência deveria inclinar-nos diante dEle em adoração. Contudo, quão pouco meditamos nesta perfeição divina! Será por que só de pensar nela nos enchemos de inquietação?

 

 


NADA SE PODE ESCONDER DE DEUS


Quão solene é este fato: nada se pode esconder de Deus! Embora sendo Ele invisível para nós, não o somos para Ele. Nem as trevas da noite, nem as mais espessas cortinas, nem o calabouço mais profundo podem ocultar o pecador dos olhos do Onisciente. As árvores do jardim não puderam ocultar Adão e Eva. Nenhum olho humano viu Caim assassinar seu irmão, mas o seu Criador testemunhou o crime. Sara pôde rir zombeteira, oculta em sua tenda, mas foi ouvida por Jeová. Davi escondeu a sua iniquidade a duras penas, mas pouco depois o Deus que tudo vê enviou-lhe um dos seus servos para dizer-lhe: 'Tu és o homem!'

 

Os ímpios odeiam esta perfeição divina com a mesma naturalidade com que são compelidos a reconhecê-la. Gostariam que não houvesse nenhuma Testemunha dos seus pecados, nenhum Examinador dos seus corações, nenhum Juiz dos seus feitos. Procuram banir tal Deus dos seus pensamentos.


Boa razão tem, todo o que rejeita a Cristo para tremer diante das palavras do Salmo 90:8: “Diante de ti puseste as nossas iniqüidades: os nossos pecados ocultos à luz do teu rosto”.

 

ONISCIÊNCIA CONSOLO PARA OS FIÉIS


Mas a onisciência de Deus é uma verdade cheia de consolação para o crente. Em tempos de aflição, ele diz como Jó: “Mas ele sabe o meu caminho...” (Jó 23:10). Pode ser profundamente misterioso para mim, inteiramente incompreensível para os meus amigos, mas Ele sabe!
Em tempos de fadiga e fraqueza, os crentes podem assegurar-se de que Deus “conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” (Salmo 103:14).


Em tempos de dúvida e vacilação, eles apelam para este atributo, dizendo: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração: prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se ha em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno” (Salmo 139:23-24).


Em tempos de tristeza, fracasso, quando os nossos corações foram traídos por nossos atos; quando os nossos feitos repudiaram a nossa devoção, e nos é feita a penetrante pergunta, “Amas-me?”, dizemos, como o fez Pedro: “... Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo...” (João 21:17).


Aí temos estímulo para orar. Não há motivo para temer que as petições do justo não serão ouvidas, ou que os seus suspiros e lágrimas não serão notados por Deus, visto que Ele conhece os pensamentos e as intenções do coração. Não há perigo de que um santo seja despercebido no meio da multidão de suplicantes que todo dia e toda hora apresentam as suas variadas petições, pois a Mente infinita de Deus é capaz de prestar a mesma atenção a multidões como se apenas um indivíduo estivesse procurando obter a Sua atenção. Assim também a falta de linguagem apropriada, a incapacidade de dar expressão ao anseio mais profundo da nossa alma, não comprometerá as nossas orações.

 


CONCLUSÃO


Deus não somente sabe tudo que aconteceu no passado em todos os Seus vastos domínios, e não apenas conhece por completo tudo o que agora está ocorrendo no universo inteiro, mas também é perfeito conhecedor de todos os acontecimentos, do menor ao maior deles, que haverão de suceder nas eras vindouras. O conhecimento que Deus tem do futuro é tão completo como o Seu conhecimento do passado e do presente, e isso porque o futuro depende totalmente dEle próprio. Se fosse possível ocorrer alguma coisa sem a ação direta de Deus ou sem a Sua permissão, então aquilo seria independente dEle, e Ele deixaria, de pronto, d